Leitores Online

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

História do Natal


O Natal é uma data em que comemoramos o nascimento de Jesus Cristo. Na antiguidade, o Natal era comemorado em várias datas diferentes, pois não se sabia com exatidão a data do nascimento de Jesus. 

Foi somente no século IV que o 25 de dezembro foi estabelecido como data oficial de comemoração.

Na Roma Antiga, o 25 de dezembro era a data em que os romanos comemoravam o início do inverno, portanto, acredita-se que haja uma relação deste fato com a oficialização da comemoração do Natal.

As antigas comemorações de Natal costumavam durar até 12 dias, pois este foi o tempo que levou para os três reis Magos chegarem até a cidade de Belém e entregarem os presentes (ouro, mirra e incenso) ao menino Jesus. Atualmente, as pessoas costumam montar as árvores e outras decorações natalinas no começo de dezembro e desmontá-las até 12 dias após o Natal.

Do ponto de vista cronológico, o Natal é uma data de grande importância para o Ocidente, pois marca o ano Um da nossa História.

Em quase todos os países do mundo, as pessoas montam árvores de Natal para decorar casas e outros ambientes. Em conjunto com as decorações natalinas, as árvores proporcionam um clima especial neste período.

Acredita-se que esta tradição começou em 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. Certa noite, enquanto caminhava pela floresta, Lutero ficou impressionado com a beleza dos pinheiros cobertos de neve. As estrelas do céu ajudaram a compor a imagem que Lutero reproduziu com galhos de árvores em sua casa. Além das estrelas, algodão e outros enfeites, ele utilizou velas acesas para mostrar aos seus familiares a bela cena que havia presenciado na floresta.

Esta tradição foi trazida para o continente americano por alguns alemães, que vieram morar na América durante o período colonial. 

No Brasil, país de maioria cristã, as árvores de Natal estão presentes em diversos lugares, pois, além de decorar, simbolizam alegria, paz e esperança.

O presépio também representa uma importante decoração natalina. Ele mostra o cenário do nascimento de Jesus, ou seja, uma manjedoura, os animais, os reis Magos e os pais do menino Jesus. Esta tradição de montar presépios teve início com São Francisco de Assis, no século XIII. As músicas de Natal também fazem parte desta linda festa.

Estudiosos afirmam que a figura do bom velhinho foi inspirada num bispo chamado Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d.C. O bispo, homem de bom coração, costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas próximas às chaminés das casas.

Foi transformado em santo (São Nicolau) pela Igreja Católica, após várias pessoas relatarem milagres atribuídos a ele.

A associação da imagem de São Nicolau ao Natal aconteceu na Alemanha e espalhou-se pelo mundo em pouco tempo. Nos Estados Unidos, ganhou o nome de San Claus, no Brasil de Papai Noel e em Portugal de Pai Natal. 

Até o final do século XIX, o Papai Noel era representado com uma roupa de inverno na cor marrom ou verde escura. Em 1886, o cartunista alemão Thomas Nast criou uma nova imagem para o bom velhinho. A roupa nas cores vermelha e branca, com cinto preto, criada por Nast foi apresentada na revista Harper’s Weeklys neste mesmo ano.

Em 1931, uma campanha publicitária da Coca-Cola mostrou o Papai Noel com o mesmo figurino criado por Nast, que também eram as cores dos refrigerantes. A campanha publicitária fez um grande sucesso, ajudando a espalhar a nova imagem do Papai Noel pelo mundo. Fonte: Site na Internet.

Comentário:
Se Cristo nascesse hoje, seria escarnecido por esta humanidade descrente e sofreria mais do que a crucificação e todo sofrimento que o homem submeteu ao seu corpo, dependendo de cada país poderia ser fuzilado, enforcado, envenenado, ridicularizado, preso e torturado. Passou-se o tempo, mas o homem continuou o mesmo bárbaro do passado. 

Nesta data natalina foi criado ao passar do tempo a figura do Papai Noel que substituiu o Presépio, atualmente, nem o Presépio nem a figura do Papai Noel, ambos, vem sendo esquecidos e cultuados as Festas Natalinas com: árvores de Natal bem enfeitadas,  muitas iguarias, bebidas, reuniões familiares e a ceia da meia noite.

O Natal hoje está associado ao comércio, à população está se esquecendo que o Natal foi à data que se estabeleceu para o nascimento de Jesus Cristo.

Comemora-se o Natal em família, com a intenção de festejar com uma ceia natalina repleta de iguarias, essa data, e também, com o propósito de ofertar presentes de maneira fraternal.

Hoje, as crianças estão associando essa data ao Papai Noel que lhes dão presentes e não como a data de nascimento de Jesus Cristo.

O homem está se afastando de Jesus Cristo e da religião, o Cristo está sendo substituído por festejos, guloseimas e bebidas alcoólicas, o homem só se interessa nesta data pela cerimônia em família ou entre os seus amigos. 

O Natal deixou de ser um ato religioso para se tornar um desejo de consumo. Uma festa pagã.

Hoje, o Natal está materializado. Deixou de ser uma comemoração fraterna espiritual para se tornar uma comemoração social.
 



Por: Ernani Serra
Pensamento: Como Cristo todos nós somos partículas de Deus (universo), com a energia divina do Criador com suas polaridades positivo e negativo, mas, sendo regidos por leis que controlam, fiscalizam, punem e agraciam com o poder do livre arbítrio humano.
Ernani Serra

sexta-feira, 24 de março de 2017

Amor Frustrado


Estamos num mundo material em que, as pessoas não vivem bem, estão vegetando num mundo de falso amor, onde imperam os interesses monetários, as necessidades, as conveniências, o convencional, a atração física pelo belo etc. 

As almas estão sentindo falta do amor verdadeiro sem preconceito, discriminação, racismo etc. Apesar da promiscuidade sexual exagerada que satisfaz somente a carne mais deixa um grande vazio na alma, por não ter escolhido a pessoa certa para o seu relacionamento conjugal.

Os adultos da meia-idade estão tendo dificuldades de um relacionamento amoroso por se encontrar na faixa etária dos coroas que estão entre os adultos jovens e idosos que encontram uma barreira de discriminações e preconceitos sociais.

Existem tantas almas na sociedade que estão famintas de amor mais têm dificuldades de relacionamentos, a vida é curta, as pessoas têm que se arriscar flertando, se insinuando, sendo meigas e até se declarando ao outro, mostrando que só deseja o amor e não interesses. 

Tem pessoas que são extrovertidas e se dá bem nas paqueras, mais, têm outras que são introvertidas e acanhadas que se frustram no ostracismo e não conseguem nada apesar de ter muito amor para dar.    Essas pessoas acanhadas precisam de um empurrão ou sejam, de alguém que se declare explicitamente e possa desabrochar essa energia química nas pessoas tímidas.

Estamos num mundo que o verdadeiro amor parece ser sujo, imoral, pervertido em que, as pessoas têm medo de procurar a sua felicidade na companhia do outro.

Os melhores momentos do amor estão em casos de namoro, pré ou pós-conjugal ou informal.

O casamento é um ato egoístico em que os cônjuges querem se apoderar um do outro como se fossem os seus donos, mas são reflexo de uma paixão desenfreada que confundem com o amor, tanto é que, ao passar do tempo ambos sentem necessidades de outras aventuras por estarem os seus relacionamentos desgastados com o tempo e um deles ou ambos, procuram outro parceiro secreto que despertem os desejos que estavam bloqueados no casamento pela rotina. 

As pessoas precisam paquerar mais sem nenhum remorso, porque a paquera é uma forma de relaxe e de felicidade da alma, as pessoas precisam também serem mais românticas e carinhosas com o seu próximo; amado.Não troquem a paquera feliz com um casamento infeliz.   O amor e a paixão não tem idade e não se devem discriminar os casais: idosos com idosos ou idosos com jovens, meia idade com jovens, todos têm direito a felicidade.

A pessoa que paquera é uma pessoa livre não tem nenhuma pessoa que lhe possa dominar ou escravizar e ambos têm as opções do livre arbítrio independente e são sempre felizes em seus encontros e relacionamentos íntimos casuais.

O mundo está tão cheio de gente que é preciso dar um tempo para baixar a explosão demográfica, já que, temos inúmeros anticoncepcionais no mercado e não precisa que ponhamos crianças para sofrer. O casamento só é bom para quem tem à disposição de se manter fiel apesar de ser muito difícil depois de alguns anos de convivência afetiva, mas existem muitas pessoas que se adaptaram e vivem muito bem com o casamento ativo ou passivo.

O casamento é um relacionamento difícil porque cada cabeça é um mundo, e nunca há um denominador comum, só quando, uma parte se deixa dominar e concordar com tudo, (castração mental).







Por: Ernani Serra
Pensamento: O sexo está em alta mais o amor está em baixa. O casamento é a muleta dos necessitados e dos inseguros.
Ernani Serra

domingo, 12 de março de 2017

Esperança


Que cor é essa?
É da esperança
Tem um tom verde
É dá saudade.

Vem do amanhecer
No resplandecer
No final da tarde
No ofuscante verde.

Na noite ofuscam
Pirilampos brilham
No céu as estrelas
Piscam nas galáxias.

Na mente humana
A tez branca e nua
Grande perspectiva
A amante na alcova.

A idade condensa
O filme passa
O flash ofusca
Tudo na lembrança.

O idoso sente
Ilusão ausente
N'alma a puberdade
Passado e presente.

Amor platônico
No cérebro atônito
Que ama na ilusão
O velho ermitão.

Na vã esperança
De um dia apareça
A mulher pertença
A minha Esperança.


Por: Ernani Serra
Pensamento: A imaginação é um veículo que leva a mente ao infinito que tudo cria e por vezes realiza.
Ernani Serra

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Mulher Nua


Que leva uma mulher
Sem pudor do seu corpo
Ir a rua se mostrar
Como Eva no paraíso.

Parecendo uma deusa
Saindo do Olimpo, a bela,
Desfila pela via pública
Pela rua toda nua.

O público fica surpreso
O povo para, para ver,
Aquela linda mulher
Fazendo exibicionismo.


Por: Ernani Serra
Pensamento: A nudez deve ser respeitada e exposta num ambiente propício.
Ernani Serra